quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Personalidades do Poker - 20º Card

Johnny "Grand Old Man" Moss

Johnny "Grand Old Man" Moss nasceu em Marshall, no Texas a 14 de maio de 1907.
Em Dallas, ele aprendeu a jogar ainda menino. Quando ele tinha dez anos, alguns trambiqueiros lhe ensinaram como fazer trapaças no Poker, mas ele optou por não utilizar tais habilidades, em vez disso, ele usou o seu conhecimento para conseguir um emprego em um bar local, onde era responsável por detectar trapaceiros.
Foi durante este tempo, que ele viu e aprendeu a estratégia do jogo, que mais tarde usou para lançar a sua carreira: "Depois que eu aprendi uma coisa ou duas, tornei-me num jogador de estrada, jogando em qualquer sitio onde pudesse encontrar um bom jogo. México, Tahoe, onde quer que eu pudesse jogar, mas eu não tive que roubar, fiz todo o meu dinheiro jogando limpo, mas tenho a certeza que vi muita “trapaça” naqueles dias ", disse Moss.
"Uma noite eu estava jogando numa cidade pequena – não me lembro onde, talvez em Oklahoma – e vi que na sala haviam jogadores com aliados espionando as minhas cartas através de um buraco no teto.
Puxei então a minha arma. Sempre transportava uma arma comigo naqueles tempos, e disse: Agora, rapazes, vou disparar uma bala no teto se o homem que está lá em cima não descer expontaneamente.
Eles pensaram que eu estava fazendo um “bluff” e acabei acertando no rapaz, no seu traseiro"




Em 1949, Moss jogou contra Nick "The Greek" Dandoles em um jogo de poker de cinco meses de duração.
Esta talvez seja uma das mais incríveis histórias dos tempos áureos do Poker, que vou tentar resumir.
Nick “The Greek” Dandalos, que já tinha ganho mais de 60 milhões, jogando cartas, e perdido tudo nas corridas de cavalos, chegou em Las Vegas em busca de ação.
E ninguém melhor na cidade para providenciá-la do que Benny Binion, o dono do cassino Binion’s Horseshoe. The Greek propôs que Benny armasse uma maratona de "Poker high stakes" entre ele e qualquer outro jogador da região.
O nome escolhido por Binion foi o do texano Johnny Moss, o mais talentoso jogador que ele conhecia.
Conta a lenda que, quando o convite chegou a Moss, ele estava jogando Poker em Odessa havia 72 horas diretas sem dormir. Mesmo assim, pegou o primeiro avião para Vegas e foi direto do aeroporto para o Horseshoe, onde Benny Binion armara uma mesa na frente do cassino para chamar a atenção dos turistas.
Assim começaria uma das partidas mais famosas de história do Poker, que é considerada o embrião da World Series of Poker (WSOP) moderna.
Nick Dandalos, natural de Creta, tinha 65 anos. Era formado em filosofia e gostava de recitar poesia. Já Moss tinha 23 anos a menos e, na escola, não chegara ao colegial.
Apesar de ser teoricamente um heads up, o jogo era aberto para quem quisesse entrar.
Mas o buy-in mínimo era de US$ 10 mil (cerca de US$ 85 mil hoje, se calculada a inflação) e todos os parceiros que se arriscaram não duraram mais do que dois ou três dias.
Nick abriu uma boa vantagem sobre Moss no começo.
Em uma famosa mão de 5 Card Stud (ou “Sticky Poker” no Brasil), Moss tinha as cartas  6-9-2-3 abertas e um nove fechado. As abertas de Nick eram 8-6-4-J. Com mais de US$ 100 mil no pote, Nick apostou US$ 50 mil e Moss voltou de all in. Nick colocou seus últimos US$ 140 mil na mesa e disse: “Acho que tenho que pagar, porque acredito que minha carta fechada seja um valete.” Ao que Moss respondeu: “Se você tem mesmo um valete, vai ganhar um belo pote.” Para a decepção de Moss, Nick realmente tinha o valete e puxou US$ 500 mil. Um detalhe é que o grego só fez seu par milagroso na última carta, depois de pagar duas apostas altas de Johnny Moss.
Durante os 5 meses seguintes, que o duelo durou, Moss e Nick praticamente só deixaram a mesa para dormir.
Isso em intervalos de quatro ou cinco dias. E muitas vezes The Greek ia direto do Poker para os craps (dados) enquanto o seu adversário descansava.
Numa ocasião, Johnny voltava de um cochilo quando encontrou Nick. “O que você vai fazer, Johnny, desperdiçar a sua vida dormindo?”, disse Nick.
Em meados de maio, depois de uma maratona incrível, Nick estava entre dois e três milhões no negativo.
Ajustada a inflação, seria uma cifra na casa dos US$ 20 milhões. Ele então disse ao seu adversário uma frase que se tornaria célebre em Vegas: “Senhor Moss, tenho que deixar você ir.” O duelo talvez mais incrível da história do Poker terminaria ali.

Era assim o poker antes da existência das World Series of Poker, evento que teve a sua primeira edição em 1970, e onde o vencedor foi encontrado por Votos dos outros jogadores.
Moss era já tido como o melhor jogador e foi votado em consonância. No ano seguinte, e já num torneio, Moss provou ser de fato o melhor jogador, vencendo o Evento Principal "$5.000 No Limit Hold'em World Championship", no ano seguinte veio o seu segundo título de campeão com premiação de US$ 30.000.
Pouco depois Moss tornou-se campeão pela terceira vez, um recorde compartilhado apenas por Stu Ungar, ao vencer o "WSOP 1974 $10.000 No Limit Hold'em World Championship" com premiação de $160.000.

Moss tem um total de nove Pulseiras do W.S.O.P: alem dos três braceletes do Campeonato do Mundo, em 1971 ele conquistou tambem o "Limit Ace to Five Draw" ($10.000), 1975 "1.000 dólares Seven Card Stud" ($44.000), 1976 "$500 Seven Card Stud" ($13.000), 1979 "$5.000 Seven Card Stud" ($48.000), 1981 "$1,000 Seven Card Stud Lo" ($33.500), e 1988 "Ace $1.500 para cinco Draw" ($116.400 dólares).

Moss, que jogou em todos os W.S.O.P. compreendidos entre 1970 e 1995, foi indicado para o Poker Hall of Fame.
Ele foi apelidado de "Grand Old Man" por causa da sua longevidade a jogar e de jogar de forma superior o poker, a mão inicial Ace-Ten (Ás- Dez) tem sido denominada de "o Johnny Moss."

Em seu livro "Super System 1978", Doyle Brunson escreveu sobre Moss: "Eu sempre fui um apóstolo de Jonh de No-Limit.
Costumava observar-lo e vê-lo em cada jogo de poker… A verdade é que John era geralmente o grande vencedor nos jogos… Comigo em segundo lugar.
Conforme os anos passaram, a margem entre nós tem sido cada vez mais estreita porque eu de vê-lo, acabei conhecendo-o, como qualquer jovem aprendiz pode assistir e aprender com o mestre no seu campo de batalha…
Eu tenho muito mais respeito por Johnny do que por um monte de jogadores mais jovens.
No seu auge, ele foi o melhor jogador no limite que eu já vi, e um monte de gente não acredita nesse fato porque eles são jovens demais para ter visto o Johnny jogar no seu melhor."

Em 1927, Moss se casou com Virgie. Eles viveram juntos por toda a sua vida.
Logo em seguida nasceu sua unica filha, Eleoweese.
Até a sua morte, Moss sempre residiu em Odessa, Las Vegas.
Johnny Moss, faleceu em 16 dezembro de 1995 aos 89 anos.
Ele tem mais de 1.000.000 dólares em prêmios na carreira e ganhou o status para sempre de "lenda" no mundo do Poker.



Clique no Card para ver em Tamanho Natural



segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Usando 3-bet Light

Usando 3 Bet Light


Danilo Telles

O que é 3-bet light?
Primeiramente, o que é uma 3-bet? É um termo usado aqui para descrever uma situação pré-flop (no entanto também descreve pós-flop). E é basicamente um reraise. Como um exemplo é o UTG aumentando para 4BB e então o UTG+1 fazendo um reraise para 12BB, que é uma 3-bet.
OK, próxima pergunta, sobre o que é a parte “light”? Bem, a maioria dos jogadores, quando começa a jogar poker em um nível decente tende a somente fazer reraise (3-bet) com mãos muito fortes no pré-flop, tipo QQ+ e algumas vezes AK e coisas assim. “3-betar” light significa que você faz isso com algumas mãos mais fracas também, como AQ, 66, 78s, etc, etc…

Por que nós 3-betamos light?

Estou certo que todos dizem que indo all in com um combo draw é bom porque agora você pode jogar seus sets (trincas) da mesma maneira e será pago com mãos mais fracas. Agora, desculpe, mas isso é um pouco de besteira. Bons jogadores sacam exatamente o que você está fazendo, então eles não pensarão nada disso. E maus jogadores não foldam TP+ (pares altos) de jeito nenhum. Sem mencionar que as pessoas ainda estão muito medrosas para jogar seus sets de qualquer maneira.

Mas quando você faz 3-bet light, isso realmente afeta a maneira que o vilão o vê. Quando você mostra 79s depois de 3-betar pré-flop, isso faz com que o vejam como um maníaco, mas eles ainda não terão idéia de como responder. Eles passam a pagar mais suas apostas com jogos piores (então, obviamente você irá reajustar sua freqüência de 3-bet).

Agora para o ponto “c-bet=$$$$”. Você sabe que quando você aumenta pré-flop e faz uma continuation bet (bet flop quando se é o agressor no pré-flop) no flop normalmente, você será pago com os menores pares da mesa, gutshots, etc. Toda tipo de lixo, apesar de você ter AK, certo? Mas em potes reaumentados (com 3-bet), as coisas acontecem de maneira diferente. Todos o colocam em AA de repente. Então, eles pagam pré-flop porque pensam que tem implied odds e vão tentar flopar uma boa mão com seus 78s ou seus 22. Mas eles irão dar check/fold (pedir mesa e foldar para aposta) todos as vezes que não floparem um set ou dois pares.

Nota importante em c-bets em potes com 3-bets:

Não aposte mais do que faria em um pote normal. Seus c-bets em potes reaumentados devem ser entre 1/2 pote e 2/3 do pote, não mais. A razão para isso é que normalmente ambos estarão blefando, então não teremos que ganhar com tanta freqüência se apostarmos menos. Ou nós temos uma mão muito boa, e devido a relação pote/stack, nós podemos ir all in facilmente sem apostar tanto.

A quem devemos dar 3-bet light, com que mãos e em qual posição?

Nâo há como exagerar no quão importante é a leitura quando damos 3-bet light. Você primeiramente precisa saber quão light alguém está apostando. Não faz sentido dar 3-bet light se o cara que aumentou é um tipo passivo pré-flop, ou mesmo um tipo loose passivo pré-flop. O tipo que você quer são os agressivos ou mesmo os TAGs (conservadores agressivos. Apesar de um jogador maníaco fazer raises muito light (ou seja, com mãos fracas), ele também irá pagar raises da mesma maneira e não foldará para c-bets, então ele não é uma boa pessoa para dar 3-bet light.

Igualmente, tente fazer a leitura de quais são os ranges de call em 3-bets e como eles jogam pós-flop depois de terem feito o call. Se eles pagam muito pré-flop e desistem no flop, faça 3-bets nesses caras. Se eles fazem 4-bet light e check-raise com blefes em muitos flops, com bastante freqüência, não faça 3-bet light com esses caras.

Isso é essencialmente senso comum, mas é muito importante.
As mãos que você deve dar 3-bet são aquelas que você pode vencer um grande pote. 78s, 33, etc. Também mãos que têm um bom valor no showdown, como AQ, KQs, etc.

Posição também é muito importante. Lembre que pessoas aumentam muito mais no button que no UTG, etc. E mais, quando você tem posição você pode ir de check behind (pedir mesa depois do primeiro a falar) em alguns flops por controle de pote, etc.

Uma das chaves do 3-bet light é jogar bem em potes reaumentados. Isso exige leitura. Você precisa entender de controle de pote e sobre sua imagem. Eu realmente recomendo que você pratique até a perfeição. Talvez descer um nível se estiver um pouco com medo. E se você precisa de alguma ajuda em mãos em potes com 3-bet, entre em contato com alguém e tenho certeza que irão ajudá-lo.


Artigo publicado originalmente no site MagicPoker.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Poker não deve ser considerado contravenção

 

Poker não deve ser considerado contravenção

Por Eduardo Mahon

Vamos direto ao ponto. A prática do poker juridicamente configura-se contravenção penal? É preciso esclarecer publicamente a questão, em benefício de milhares de amantes do esporte, já que historicamente a prática está ligada ao preconceito que não distingue jogos de cassino movidos à sorte e outras práticas que requerem habilidade.
Para responder se poker é ou não contravenção, precisamos entender o que é, afinal de contas, a contravenção que se liga ao jogo de azar. O artigo 50 da Decreto Lei 3.688/41 disciplina que “o jogo em que o ganho e a perda dependem exclusiva ou principalmente da sorte”. Assim, o fator aleatório da sorte é preponderante na definição de contravenção penal. Caso se comprove que qualquer jogo não depende fundamentalmente da sorte, revela-se um caso de legalidade.
O gamão, onde há dados jogados aleatoriamente, por exemplo, não é jogo de azar, porque os esportistas aproveitam-se da habilidade para maximizar as oportunidades oferecidas, contando com erros dos adversários e uma gama de estratégias implícitas. O pif-paf e o bridge são outros exemplos em que os competidores recebem cartas aleatoriamente, mas fazem delas oportunidades para envolver adversários em estratégias que variam de acordo com as habilidades de cada um.
Diversamente, a roleta é um caso clássico de jogo de azar. Por quê? Porque o jogador não tem qualquer controle sobre os números, não há estratégias matemáticas possíveis contra quem promove o jogo e, matematicamente, os jogadores já entram em desvantagem de alguns pontos porcentuais. Os dados são outro caso clássico de jogo de azar, porque embora haja um combinado de probabilidades, não há resultados previsíveis a longo prazo, porque cada rodada é completamente independente da anterior.
Mas e o poker? Em que categoria enquadra-se? O jogo (na modalidade texas hold’em) consiste em receber cartas fechadas e contar com rodadas de apostas a medida em que são reveladas cartas comunitárias. É claro que, numa determinada rodada ou mão, um jogador pode receber cartas extremamente favoráveis, mas o jogo não consiste numa única rodada, em eventos aleatórios e desconexos uns dos outros. Ao contrário – para haver vitória num torneio, é necessário avaliar matematicamente centenas ou milhares de conjuntos de cartas, acumulando ou desperdiçando fichas.
O poker está vencendo o preconceito diariamente. O Instituto de Criminalística de São Paulo (órgão policial), ao avaliar a estrutura do jogo, emitiu um laudo definitivo (01/020/0058872/2006), no qual está consignado: “inferem os peritos que se trata de um jogo de habilidade do jogador que participa desta modalidade que depende da memorização, das características das figuras apresentadas no decorrer do jogo e do conhecimento das regras e estratégia de atuação em função destes fatores”.
Mas não é só. Consultado a respeito, o maior perito brasileiro, Ricardo Molina, deixou assentado num extenso, complexo e definitivo trabalho: “como vimos e demonstramos, inclusive matematicamente, a habilidade é decisiva para o ganho no texas hold’em. De acordo, pois, com a definição dada no texto do Decreto Lei 3.688/41, ou por qualquer outro critério no qual o nível de habilidade do jogador é decisivo para o ganho, a modalidade de pôquer conhecida como texas hold’em não pode ser considerada jogo de azar”. A conclusão veio cotejando centenas de cálculos matemáticos.
Finalizamos aqui o primeiro de dois artigos a respeito. No próximo, veremos como trata o Poder Judiciário e o que está acontecendo no mundo e no país para desmistificar a sorte e sepultar o preconceito que tenta inculcar na sociedade o medo e a insegurança.
Acima, exibimos uma série de argumentos de ordem técnica, essencialmente matemática, demonstrando que o poker texas hold’em não é jogo de azar e sim de habilidade. Vimos, na visão policial e de peritos, que essa modalidade é respeitada e nada tem de contravenção penal. Neste ensaio, vamos passear pela visão jurídica brasileira.
O que entendem os tribunais a respeito? Instado a se manifestar sobre uma casa de promoção de torneios de poker, o Tribunal de Justiça de São Paulo unanimemente posicionou-se da seguinte forma: “(...) assim decidem por já ter sido o pif-paf considerado jogo não punível, em reiterada jurisprudência do Egrégio Supremo Tribunal Federal. É certo que o pif-paf como o pôquer, não pode ser considerado como jogo de azar, pois não dependem exclusivamente de sorte, como o bacarat, a campista e outros jogos carteados. O ganho depende da habilidade e da observação dos parceiros”. (AC – RT 228/499)
Mas não foi somente em São Paulo que houve pronunciamento judicial. Como já citado, até mesmo o Supremo Tribunal Federal já deixou consolidada a interpretação sobre o tema. E, recentemente, juízes concederam autorizações para o funcionamento não só de casas onde se fomenta campeonatos, como de etapas de torneios estaduais e brasileiro. Vejamos. Em Santa Catarina, a Desembargadora Sônia Maria Shmitz (MS 2010.047810-1): “(...) é possível inferir que suas regras dependem de probabilidades matemáticas, conhecimento das regras e estratégias do jogo, capacidade psicológica do apreender as reações dos adversários, possibilidade de dissumular as próprias cartas e de prever as cartas dos demais, aspectos que entremostram, nesta fase preliminar, a proeminência da habilidade sobre a sorte”. E por aí vão julgados em todo o país.
No ano de 2010, o Internacional Mind Sports Association – IMSA – que regula internacionalmente as características dos jogos da mente (xadrez, gamão etc) reconheceu o poker como esporte. Foi uma enorme conquista para os apreciadores da modalidade texas hold’em porque, pela primeira vez, associaram-se formalmente com um comitê internacional que classifica tecnicamente o que é ou não uma prática desportiva.
E no meio brasileiro? O que tem acontecido de mais significativo? O Conselho Nacional de Auto-regulamentação Publicitária (CONAR) autorizou a veiculação de propaganda do jogo em site especializado em canal aberto, considerando o poker jogo de habilidade e não de sorte, desconfigurando-se completamente a contravenção penal. Para tanto, usou-se de decisões judiciais e um parecer assinado por um dos maiores juristas do país, Dr. Miguel Reale Júnior.
Atualmente, a Confederação Brasileira de Texas Hold’em organiza o campeonato brasileiro da modalidade, em eventos abertos ao público, televisionados e que reúnem milhares de desportistas de todos os Estados. Nunca a CBTH deixou de contar com um alvará de funcionamento da municipalidade em função da caracterização do poker texas hold’em como jogo de azar. Portanto, em todas as etapas da história do BSOP (sem exceções), houve ciência do poder público e consequente autorização para organizar e divulgar o evento ligado ao poker. O desafio é trazer para Cuiabá uma etapa que reúne mais de mil esportistas de toda a nação.
Em Mato Grosso, rumamos para a organização da Federação Mato-Grossense. Centenas de jogadores praticam o poker de forma presencial ou jogando on-line. Foram realizadas várias etapas do circuito cuiabano e mato-grossense em hotéis e casas de eventos. É preciso informação para combater o preconceito, ignorância e a perniciosa fofoca. Está superada a velha imagem (própria de filmes de Hollywood) de falcatruas, embustes e perdas milionárias no poker. Essa névoa de James Bond está se esvaindo e sobrando lugar para a capacidade intelectual, matemática e psicológica dos praticantes de um nobre jogo que merece respeito.

Eduardo Mahon é advogado em Mato Grosso e Brasília, doutorando em Direito Penal e membro da Academia Mato-Grossense de Letras.

Revista Consultor Jurídico, 23 de janeiro de 2011

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Sit And Go - Estratégias

Estratégias para Sit And Go


Desde o final do ano passado estou jogando os SnG de 45p da PokerStars.
Comecei com os sit de 25cents e depois resolvi jogar somente os de $1.
Apesar dos SnG de 25c terem jogadores mais faceis de serem batidos a premiação é muito baixa, e como tenho um bankroll que me permite jogar os de $1, resolvi me dedicar a esses sits.
No primeiro mês consegui fazer mais de $40 jogando pouco mais de 100 sits, e isso me animou, mas nos 100 jogos seguintes não consegui manter a média.
Como não jogava uma estratégia específica para esses torneios, resolvi procurar se haviam estratégias voltadas para esses SnG de 45p.
Encontrei alguns artigos interessantes, por isso resolvi criar uma série sobre esses sits.
Regularmente pretento colocar, aqui no blog,  os artigos que tenho e que considero válidos para quem pretender jogar também esses sits.
Claro que nenhuma estratégia é infalível nem vai fazer de vocês campeões de uma hora para outra, mas vai ajudar a entender melhor como esses torneios funcionam e como vocês devem jogar nas diversas situações que forem surgindo nas mesas.

O primeiro artigo que vou divulgar foi publicado originalmente na "Universidade do Poker".
Leiam com atenção e aproveitem as excelente dicas.

Estratégias para Sit & Go’s Turbo de 45 à 180 jogadores


Hoje em dia quase todas as salas de poker oferecem Sit & Go´s com mais de duas mesas. Esses jogos, que se assemelham mais com os tradicionais torneios multi-table, têm como únicas diferenças para com um Torneio MTT normal o número necessário de jogadores inscritos para começar e o estilo turbo em que normalmente são disputados, resultando em um final muito mais rápido que um torneio normal. Por essa razão, e porque há um número limitado de bons jogadores regulares online a qualquer hora, esses jogos são muito populares e podem oferecer um ROI bem mais alto que os torneios normais.
Eles são tipicamente oferecidos no formato de 45, 90 e 180 jogadores e sua popularidade, e freqüência, depende do nível de stakes e do número de jogadores. Por exemplo, nos buy-ins mais altos, de $100, e com 45 jogadores de field, os jogos são muito freqüentes, mas os jogos com 90 e 180 jogadores são raros nesse level. Eles são um bom lugar para aprender mais sobre o jogo ou se você quer praticar para torneios MTT. Eles também são um bom lugar para alavancar seu bankroll, se você tiver alguns bons resultados.
Como os prêmios variam entre os sites e o tamanho dos fields, a primeira coisa a se fazer é conferir esses detalhes e fazer uma estimativa da quantidade média de fichas que você precisará para chegar in the money. Por exemplo, em um jogo de 45 pessoas em que sete lugares são pagos, você deverá alavancar seu stack inicial de 1500 até cerca de 10.000 fichas para estar na média. Em comparação, um jogo com 180 pessoas do Full Tilt Poker paga 18 lugares, então você precisará de algo em torno de 15.000 fichas.
Pelo fato de ter de acumular muita ficha e não ter tanto tempo pra isso, é bom entrar em potes no inicio do jogo com mãos especulativas. Seu objetivo primário será obter fichas dos jogadores mais fracos antes que eles saiam do torneio. Lembre-se que ICM é muito menos considerado do que no formato tradicional, os prêmios estão bem mais distantes e aumentam de forma mais suave. Você pode jogar seus draws mais agressivamente, criando uma imagem loose nos estágios iniciais do torneio, diferentemente do que faria em um Sit & Go single table.

 

Steal and Go

Normalmente, por causa da estrutura rápida, você verá muitos jogadores serem pressionados pelos stacks razoavelmente cedo. Mesmo se você tiver um grande stack você ainda estará jogando all-in ou fold com muitos jogadores com menos de 10 big blinds. Por essa razão, roubar os blinds para se manter acima da zona All-in não é tão importante quanto em um MTT tradicional. Mesmo assim você ainda deve estar atento a boas oportunidades de roubá-los. Uma dessas oportunidades em particular é quando os antes entram em jogo e o tamanho do stack do oponente é tão pequeno que ele não poderá aplicar um resteal contra você facilmente, mas você ainda pode foldar mãos marginais caso ele mova all-in.
Quando os stacks ficarem bem baixos, conforme os blinds aumentam, procure ir all-in agressivamente mesmo em situações marginais. A maioria dos jogadores irá freqüentemente foldar nessa situação. Se você puder construir um bom stack jogando agressivamente, isso irá ajudar você quando a bolha se aproximar, uma vez que você será capaz de dominar outros jogadores. Se você tem um stack baixo, fique de olho nos blinds. Eles podem saltar significantemente de tamanho, mas se você está confortável não force a ação desnecessariamente e aguarde a ação de algum short stack para se consolidar.
Conforme você se aproxima do dinheiro, ICM e as estratégias tradicionais de MTT começam a prevalecer e você deve jogar mais baseado no tamanho de seu stack e posição no field. Você já deve saber qual o stack médio necessário para quando a bolha estourar, mas consultar o ranking é importante uma vez que os grandes stacks, com muito mais fichas, reduzem a média para o resto do field. Mesmo com um stack ligeiramente abaixo da média você pode estar confortavelmente a caminho da zona in the money e subir algumas posições sem precisar fazer muita coisa.
Com um stack baixo você precisará ganhar fichas, então se mantenha agressivo. Tente se manter acima de 5 big blinds, assim você tem uma boa equidade de fold e pressione jogadores que talvez foldem freqüentemente no Big Blind se eles estiverem tight ou tentando sobreviver com um stack médio.

 

Caça ao dinheiro

Os grandes prêmios nesse formato estão nas primeiras posições. Por exemplo, em um jogo de 90 pessoas, os 3 primeiros jogadores dividem 60% do prizepoll, enquanto do sexto ao 12º levam 5% ou menos cada. Portanto, se você tem um grande stack perto da bolha é importante jogar agressivamente e tentar roubar fichas dos jogadores que estão tentando chegar na zona in the money, para maximizar suas chances de uma grande vitória.
Isso é muito diferente da estratégia requerida nos jogos com 18 jogadores, com uma estrutura de premiação de 40%/30%/20%/10%. Na verdade, se você puder comandar a mesa nesse ponto, você poderá alavancar para as três primeiras posições pegando todo o dinheiro morto, e terá de perder uma série de all-ins para ser eliminado. Quando a bolha estourar haverá outro período de rápida consolidação, com muitos jogadores sendo eliminados. Então seja paciente, a não ser que você tenha excelentes mãos ou um stack baixo, nesse caso você tem de estar preparado para jogar.
Normalmente a ação diminuirá conforme o número de jogadores for diminuindo na mesa final, então pegue o ritmo e comece a roubar ou mover all in mais liberalmente dependendo do tamanho dos stacks. Lembre-se, entretanto, que a não ser que os jogadores estejam prestes a serem eliminados e você tenha um stack médio você agora tem de se focar nas primeiras posições e deve estar preparado para jogar agressivamente para alcançá-las.
Nas três ultimas posições, o jogo se torna similar a um tradicional Sit & Go, com a diferença entre o primeiro e o segundo colocados sendo normalmente o dobro da diferença entre o segundo e o terceiro. Como conseqüência dessa ponderação é importante jogar para vencer aqui a maior parte do tempo como na estrutura normal. Você não deve se preocupar tanto com a premiação, já que alcançou um bom prêmio com o terceiro lugar.
O heads-up é uma simples luta pelo restante do dinheiro, mas se você não estiver familiarizado com o formato, tenha cuidado para saber quantas fichas estão em jogo e o tamanho do seu stack em big blinds. Comparar sua situação com uma em um formato em que você tem bastante experiência ajudará você a tomar as decisões corretas nas últimas e cruciais fases.

 

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Jogue Poker no Facebook - Zynga Poker






Não sou um fã das redes sociais. Nem me lembro qual foi a ultima vez que entrei na minha conta no Orkut.
Mas tenho dado uma passada no Facebook, e tentado entender o seu funcionamento. Não tenho tido muito sucesso mas encontrei um joguinho interessante para aqueles que curtem o Facebook e que são como eu apaixonados pelo Poker, o "Zynga Poker".

A Zynga é uma empresa americana, fundada em 2007, localizada em São Francisco, Califórnia, que desenvolve jogos online para as redes sociais.
Eles criaram uma série de jogos dos mais variados temas, para agradar todos os gostos possíveis, inclusive dos aficcionados pelo Poker.

No Zynga Poker, você pode joga Poker OnLine com pessoas do mundo inteiro, com a vantagem de não gastar nenhum centavo.

Para jogar você precisa ter uma conta no Facebook e se cadastrar para jogar ( Clique aqui para acessar o jogo ).
Inicialmente você ganha 2000 fichas para jogar, mas todo dia que acessar o game, você recebe mais fichas. São fichas como o PlayMoney das salas de Poker de verdade, portando você não perder mas também não ganha dinheiro de verdade.
Zynga Poker usa regras simplificadas do Texas Hold'em e é muito fácil de jogar.
Todos os comandos são feitos por botões na parte de baixo da tela: sair, pagar, pagar com tudo, aceitar ou aumentar aposta. Também é possível escrever mensagens para os outros jogadores, e facilmente você vai encontrar brasileiros jogando.
Você também pode se inscrever em diversos tipos de campeonatos.
Zynga Poker é perfeito para quem curte Poker, para quem está começando e quer aprimorar suas jogadas ou para aqueles que não dispensam um joguinho online para passar o stress do dia-a-dia.

Se você ainda não experimentou, vale a pena se cadastrar e passar alguns minutos, ou horas, se divertindo no "Zynga Poker".


Você também pode jogar o Zynga Poker em Tablets e iPhones.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Entrevista com André Akkari para o "Mais Esporte"







Para quem ainda não conhece a história do mais famoso jogador de Poker brasileiro, André Akkari dá, nessa entrevista, detalhes de como foram os seus primeiros passos no mundo do Poker.
Conta como foi sua primeira viagem para Vegas, como ele cravou o torneio de aniversário de Doyle Brunson, e como ele venceu o evento 45 da WSOP de 2011.
Boa entrevista sendo divulgada por mais um site de Esportes, demonstrando que o Poker está sendo colocado no mesmo nível de outros esportes no Brasil.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Poker é Reconhecido pelo Ministério dos Esportes

Poker Reconhecido como Esporte pelo Ministério dos Esportes

Finalmente o Ministério dos Esportes reconheceu a CBTH ( Confederação Brasileira de Texas Hold'em ) como a entidade responsável no Brasil pelo Poker.
Clique aqui para ver a página do Ministério dos Esportes com o cadastro do Poker.

Essa conquista foi celebrada por todos os brasileiros praticantes do Poker.
Praticamente todos os sites e blogs de Poker no Brasil divulgaram essa notícia, e resolvi postar aqui talvez a mais interessante que saiu postada no mega portal UOL.
Segue abaixo a reportagem na integra. ( clique aqui para ler no UOL )

Pôquer comemora "aval" do governo e agora quer regulamentação da atividade no país

Gustavo Franceschini
Do UOL, em São Paulo 

O pôquer está no calendário esportivo nacional. Desde a semana passada, os praticantes e simpatizantes do famoso jogo de cartas comemoram o “reconhecimento do esporte”. O governo e a confederação da modalidade sabem que não é bem isso, mas depois do “aval” do Ministério do Esporte, a CBTH (Confederação Brasileira de Texas Hold’Em) quer a regulamentação definitiva da atividade.
“O pôquer foi reconhecido como esporte no ano passado pela IMSA [Associação Internacional de Esportes da Mente, na sigla em inglês]. Só que só agora as pessoas tiveram o entendimento. Para nós é motivo de muita comemoração. No Brasil, o pôquer foi associado ao jogo de azar e nós, da primeira geração dessa atual onda, sofremos muito preconceito”, disse Igor “Federal” Trafane, presidente da CBTH, que reúne sob seu guarda-chuva todas as modalidades do jogo de cartas (Texas Hold'Em é o nome da mais famosa delas).
A comemoração a que se refere Federal tem a ver com a inclusão da CBTH no Calendário Esportivo Nacional (CEN). O Ministério do Esporte, consultado pelo UOL Esporte, informa que não tem o poder de reconhecer esporte algum e que a entrada na lista acontece com toda entidade que cumpre os requisitos exigidos pelo órgão federal.
Federal, ainda um jogador profissional além de “cartola”, explica que os países (o Brasil entre eles) são signatários de um acordo que respeita a Sport Accord, órgão que reúne todas as entidades esportivas do mundo. Abaixo dela estão divisões que organizam o esporte em modalidades coletivas, náuticas, de combate e, entre elas, a dos esportes da mente.
Em 2010, depois da criação da Federação Internacional de Pôquer (IFP, na sigla em inglês), a IMSA aprovou a inclusão do pôquer na lista de esportes que ela agrega, que ainda possui xadrez, damas e bridge. A entrada formal deve acontecer em breve e depende apenas de entraves burocráticos.
Diante disso, o Ministério do Esporte fez apenas aquilo que lhe compete, que é avalizar a confederação. A CBTH entende que a inclusão no calendário nacional permite que o pôquer pleiteie benefícios concedidos pela pasta a outras modalidades. Auto-suficiente financeiramente, o esporte quer aproveitar o espaço para outra coisa.
“A regulamentação do pôquer é uma matéria nova no Brasil. Queremos dialogar com o governo para saber, por exemplo, como tributar a atividade. Como se pode operar o pôquer no universo online? Queremos saber como os pequenos clubes de todo o país devem se posicionar em questões operacionais.”, adianta Federal.
A caracterização do pôquer como um jogo de azara, para o dirigente, é coisa do passado. “Isso foi resolvido em 2009 e 2010, quando essa foi a nossa grande briga. Qualquer um pode contestar o que quiser, é claro, mas no âmbito legal, já mostramos que não podem nos qualificar como jogo de azar. Isso foi debatido em diversas comarcas e instâncias pelo país. Reunimos documentos de universidades, conseguimos decisões favoráveis e acho que isto está superado”, conclui Federal.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Relação de Bônus Grátis - Ativos em Fevereiro / 2012

Relação de Bônus Grátis - Fevereiro / 2012


Infelizmente em Fevereiro não surgiram novidades em bônus grátis para jogar Poker OnLine, mas nem por isso devemos nos aborrecer.
Em bônus ativos temos mais de $200 ( duzentos dólares ) grátis para jogarmos em diversas salas.
Se você já conseguiu algum desses bônus, está na hora de solicitar os outros.

Se você ainda não começou a retirar esses bônus, siga os passos abaixo e consiga facilmente todo esse dinheiro grátis que as salas de Poker OnLine estão oferecendo.

1º Bônus - O primeiro que recomendo é o da PokerStrategy ( Clique aqui para ver o Tutorial ). A PokerStrategy oferece gratuitamente $50 de capital inicial. Mas para conseguir esse dinheiro você tem que responder um questionário de 20 perguntas ( caso tenha dificuldade em passar no teste me procure no MSN ) em seguida você tem que escolher uma das salas oferecidas para receber os $50, eu recomendo que você escolha receber o capital na Poker770, pois as outras opções oferecidas existem outras ofertas que falaremos em seguida.

2º Bônus - O segundo bônus é o da PokerNews que oferece $50 na PartyPoker ( Clique aqui para ler o Tutorial ). Esse bônus é facil de conseguir, sem testes ou qualquer outro obstáculo. Basta se cadastrar e seguir as informações do site.

3º Bônus - O terceiro são $25 de capital inicial para jogar na Titan Poker ( Clique aqui para ler o Tutorial ). Não existe dificuldades para conseguir esse bônus, bastando seguir o tutorial, mas ele é um pouco demorado  e é necessário aguardar de 7 a 10 dias para a liberação do dinheiro.

4º Bônus - O quarto bônus grátis são $15 na sala MyBet ( Clique aqui para ler o Tutorial ). Simples e rápido de se conseguir.

5º Bônus - O quinto bônus grátis são $25 na sala Carbon Poker ( Clique aqui para ler o Tutorial ). Esse dinheiro é liberado bastando completar corretamente o cadastro. Demora um pouco, algumas vezes demora mais de 10 dias, mas é dinheiro certo.

6º Bônus - O sexto são $30 na 888Poker ou na PokerStars ( Clique aqui para ler o Tutorial ). Esse bônus é um pouco mais difícil pois requer uma boa fluência no inglês, pois é necessário passar por um teste feito por um atendende que vai falar contigo pelo skype.

7º Bônus - O sétimo bônus é na GutShot e de somente $5 iniciais, mas a medida que você vai jogando e fazendo pontos vão sendo liberadas outras parcelas de $5, podendo chegar até a $150. ( Clique aqui para ler o Tutorial ).

8º Bônus - Seguindo o bônus anterior, na Kingdom of Poker, o oitavo bônus, são somente $8 iniciais, mas caso você jogue bem vão sendo liberadas novas parcelas de $8 até um máximo de $288. ( Clique aqui para ler o Tutorial ).

9º Bônus - O ultimo bônus é de $5 na PokerTime. Simples e fácil de conseguir. Mesmo sendo um valor pequeno vale a pena pegar e conhecer a sala, e quem sabe multiplicar esse dinheiro. ( Clique aqui para ler o Tutorial )

Se você seguir a sequência que criei, você vai conseguir facilmente juntar mais de $200 de bankroll em pouco tempo.
Claro que todos esses bônus são para contas novas, caso você já tenha conta em alguma dessas salas você não poderá abrir outra conta. As salas de Poker OnLine não permitem que você tenha 2 ou mais contas numa mesma sala.
Outro fator importante é que você tenha 18 anos completos ou mais, as salas de Poker não permitem que menores joguem Poker em dinheiro real.
Para conseguir qualquer um dos bônus é necessário que você envie uma cópia de sua identidade para confirmar a sua idade, mas não tenha receio, todas as salas informadas aqui são idôneas e nunca houve um problema causado pelo envio da copia dos documentos.

Caso você ainda não tenha um conhecimento bom do Poker e queira estudar mais para aprimorar seu jogo antes de se aventurar nas salas de Poker OnLine eu recomendo a leitura do livro ( e-book ) Poker Predador.
Ele vai direto ao ponto, e ensina como se tornar um vencedor no Poker, sem muita teoria, mostrando como você deve agir em cada situação que surge nas mesas. Dá dicas importantes para aumentar seus lucros e diminuir os prejuisos nas mesas.
Você pode ler uma parte dele gratuitamente, Clique aqui para ler.
Para ler o livro completo você vai ter que desembolsar R$ 47, mas vale cada centavo.
Clique aqui para acessar a página de compra do livro.








quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Aprenda a Jogar Corretamente o Seven Card Stud


O "Seven Card Stud" é uma das variâncias do Poker.
Nela você recebe 7 cartas sendo duas fechadas, quatro abertas e a última fechada.
Utilizando 5 das 7 cartas, você deve formar uma mão dentro da tabela de mãos do Poker, como no Hold'em.
Em cada ínicio de distribuição de cartas, devem ser refeitas as apostas.

Apesar de não ser um estilo de jogo que eu goste, muita gente está se dedicando exclusivamente a esta variância do Poker, o número de jogadores aumenta a cada dia, portanto é importante que todos conheçam também este estilo de jogo para que, caso tenhamos que jogar no futuro o 7 Card, não façamos feio nas mesas.

O profissional de Poker Felipe Mojave está publicando na PokerStrategy uma série de artigos sobre "Mixed Games" ( rotation games) e vou colocar aqui regularmente estes artigos para melhorar nossa visão do jogo e para acrescentar mas conhecimentos sobre as diversas variâncias do Poker.
Vale a pena perder alguns minutos lendo as excelentes dicas do Mojave.


A Dinâmica dos Mixed Games - Seven Card Stud H/L

O Stud é uma das modalidades de poker mais antigas. No Brasil, existe um jogo bem parecido, chamado Stick, que também já foi muito praticado pela velha guarda do poker e hoje quase não é mais jogado (porém no Stick só existia o jogo High).

Os jogos de Stud H/L no Brasil são muito raros, já que a modalidade não foi difundida ainda, mas não é difícil encontrar ação na Internet, inclusive com alguns brasileiros praticando. Esta modalidade é muito praticada dentro dos Mixed Games (rotation games). Já fora do país, eu tive a felicidade de ter o melhor resultado para o Brasil até hoje, durante a WSOP de 2010, terminei na 24ª colocação num torneio exclusivamente de Stud H/L e nas WSOP de 2011 fiquei em 10º lugar no $10K Stud H/L. Também sou pioneiro na Internet jogando Stud H/L apenas ou Mixed Games nos quais este jogo está presente.

Bom, vamos ao que interessa. Vou mostrar para vocês como se joga o Stud H/L e seus princípios. Confesso que este jogo é um dos meus favoritos.

O 7-Card Stud H/L, como também é chamado, é um jogo bastante técnico e extremamente dinâmico, porém não há a presença de Flop, como no No-Limit Hold’em. Assim como as demais modalidades Hi-Lo [ou H/L ou Eight (8) or Better], o pote disputado é dividido em dois, ou seja, metade do pote vai para a mão Hi e a outra metade para a Low.

Numa mão de Stud H/L são distribuídas 7 cartas para cada jogador, entretanto o raciocínio é o mesmo do Hold’em, no qual o jogo é formado apenas com a combinação das 5 melhores cartas, para o Hi e para o Low, lembrando que a mesma combinação, inclusive, pode ser usada para ambos os casos.

Vocês já conhecem o conceito de uma High Hand, que vem do poker tradicional, então vamos falar da Low Hand. Esta é composta/disputada com o racional de “Eight-Or-Better”, ou seja, 8 ou melhor, o que significa que para uma mão ser classificada/elegível como Low (ou Lowball) é necessário que o jogador tenha obrigatoriamente 5 cartas abaixo ou iguais a 8 e que sejam diferentes (não vale par).

Caso a mão vá para showdown, após a 7ª street, e determinado jogador não tiver 5 cartas abaixo de 8, ele concorrerá somente à metade do pote referente ao High. Caso nenhum jogador seja elegível, 100% do pote será direcionado apenas para o High, não havendo divisão de pote (exceto se empatarem na High Hand, claro).

O sistema utilizado no Hi/Lo se chama Califórnia. Pode ser chamado também de “A-5” (Ace-To-Five). Nem straights e nem flushes vão contar para a mão Low e vale lembrar que os Ases (A) são considerados como cartas baixas, sendo as mais baixas do baralho, mas ao mesmo tempo as cartas mais altas, no caso do High.

Agora que vocês já entenderam que para concorrer à metade do pote Low é necessário ter 5 cartas menores ou iguais a 8, vou explicar que sua disputa de desempate é dada de cima para baixo. Deste modo, 8-7-4-3-A perderia para 8-6-4-3-A, já que 8-7 é maior que 8-6 e quem tiver a menor combinação, ou seja, mais próxima do Ás (A), vence o Low.

Aqui abaixo segue um breve quadro de mãos Low, da mais fraca para a mais forte:

  • 8, 7, 6, 5, 4
  • 8, 7, 6, 5, 3
  • 8, 6, 4, 2, A
  • 8, 4, 3, 2, A
  • 7, 6, 5, 4, 2
  • 7, 6, 5, 2, A
  • 7, 5, 4, 3, 2
  • 6, 5, 4, 3, 2
  • 6, 4, 3, 2, A
  • 5, 4, 3, 2, A

O desempate é sempre feito de cima para baixo e assim as mãos são classificadas. Exemplo: Qual é a classificação da mão número 5? A resposta correta seria “7-Low” (Seven-Low). Na linguagem popular do live game, eu, que tenho bastante experiência jogando a modalidade, posso dizer que na prática essa mão seria descrita como “7-6-Low” (Seven-Six-Low). Isso se dá porque frequentemente ocorre empate na última carta do Low, assim já temos como prática falar as duas maiores cartas do Low, agilizando o jogo.

No caso de empate, assim veríamos qual jogador teria a menor 3ª carta, sempre de cima para baixo, e assim consecutivamente, se necessário, até o desempate. De acordo com esta explicação, um “7-4-Low” ganharia de um “7-6- Low”, certo? Isso mesmo. É fácil e requer apenas prática.

Vamos supor que você fechou um “8-6-Low” e todas as suas cartas são do mesmo naipe ou você tem uma sequência. Nada vai mudar para o Low, já que, como eu disse acima, isso não influenciará em nada. Acontece que mãos como esta são fortíssimas, pois, além de um Low, você também acabou completando uma High Hand, ou seja, um flush ou uma sequência, e isso lhe dará forças para concorrer às 2 metades do pote, ou seja, o pote inteiro. No caso de uma vitória em ambas as metades, existe um termo aplicado a este acontecimento, que é chamado de “Scoop”.

Você nunca terá feito um “Scoop” se não tiver uma Low Hand na jogada, isso significa que necessariamente, para usar este termo, você precisa ganhar o High e o Low, beleza? Vamos em frente.
  

Regras do Stud H/L

Vamos supor que os limites serão $30/$60. Vocês lembram da coluna de Limit Hold’em da edição anterior? Pois é, o Stud também é um jogo Limit e vai respeitar o mesmo padrão de apostas, porém não é um Flop Game. Sendo assim, o jogo não tem Flop, Turn ou River e suas cartas são individuais ao invés de serem comunitárias. Estas são distribuídas em “Streets” (Third, Fourth, Fifth, Sixth e Seventh).

Antes da rodada começar, é obrigatório o pagamento de “Ante”. O ante será normalmente 1/6 do Small Blind, neste caso $5. Todos que postam o ante estão aptos a receber cartas e, assim, 2 cartas são distribuídas fechadas para cada jogador, assim como no Hold’em, porém teremos uma terceira carta sendo dada a cada jogador, a chamada “Third Street” (3ª rua, ao pé da letra). Esta carta é distribuída “Face-Up”, ou seja, aberta para todos jogadores visualizarem. E está aí a grande dinâmica do Stud H/L, identificar ranges, combatê-los ou contra-combatê-los (essa é a minha concepção do jogo).

Já que o jogo não tem blinds, ao contrário do Hold’em, que possui Small e Big Blinds, o jogador que tiver a menor carta distribuída na “Third Street” é obrigado a pagar o “Bring-In”, ou seja, postar o blind, e assim a ação do jogo começa a partir do “Bring-In”, como se ele fosse o Big Blind. No caso das mesmas cartas serem distribuídas para mais de um jogador, como, por exemplo, se um 4 for distribuído para dois jogadores, o desempate para termos o “pagador do blind” se dará pelos naipes.

Tão simples quanto isso, o desempate é feito por ordem alfabética, em inglês, e assim temos em ordem crescente Paus, Ouros, Copas e Espadas, já que na língua inglesa temos Clubs, Diamonds, Hearts e Spades. Então se um jogador tem um 4h (quatro de copas) e outro tem um 4d (quatro de ouros) e estas são as menores cartas distribuídas na 3ª street, o jogador que postará o “Bring-In” será o que tiver o 4 de ouros, já que Ouros em inglês se dá por Diamonds e vem antes de Copas, que se dá por Hearts.

O tamanho do Bring-In, assim como do Ante, depende do limite do jogo. Neste caso, como estamos supostamente jogando com blinds $30/$60, normalmente o Bring-In será de $10 (muitas vezes o Bring-In será do mesmo valor que o Ante, principalmente em torneios).

Depois da rodada de apostas dentro do padrão do Limit Game, ou seja, aumento máximo de $30 e “cap” (limite de aumentos) de três repiques (atingindo assim a 4-bet, exemplo: Bet/3-Bet/4-Bet). Imagine que aqui estamos no Flop se estivéssemos jogando Hold’em. O jogador que quiser continuar na mão deve pagar o Bring-In ou aplicar um aumento, que é chamado de “Complete”.

O Dealer/Button tem sempre uma posição fixa durante o jogo de Stud H/L. No caso do jogo estar inserido num regime de rotation, ou seja, se o Stud H/L vier depois do Limit Hold’em durante um torneio/cash game de Mixed Games, o botão fica armazenado (fixo) com o jogador que estará na posição de Dealer quando os jogos de Flop voltarem à ativa.

Quando as apostas terminarem/forem igualadas (sempre no sentido horário), assim atingimos a “Fourth Street”, que é a quarta carta (no total de 7) que será distribuída.

Cada jogador recebeu outra carta exposta, desta vez a 4ª street. Agora imagine que estamos no Turn se estivéssemos no Limit Hold’em, no qual as apostas são dobradas, dentro do mesmo padrão de apostas dos Limit Games ($60). E, após esta rodada, temos a 5ª street e, consequentemente, a 6ª street.

A cada street, a partir da 4ª, já que não temos Dealer/Button, a maior mão, ou seja, a High Hand, é o jogador que estará “fora de posição” e terá que atuar primeiro. Exemplo: Se um jogador possui uma Q à mostra na quarta street e seu oponente tem um 8, o que possui a Q, por ser de maior valor, é o primeiro agir e decidir se dá fold, call ou aumenta.

Cada “street” tem a sua rodada de apostas. Nas demais streets, a dinâmica é a mesma, mas, além das high cards, por exemplo, podemos ter pares, etc., e sempre a maior mão vai agir na frente, ou seja, quem tiver a melhor mão de poker, resumidamente. A ação começa na 7ª street no mesmo jogador que começou a 6ª street, já que esta carta vem fechada.

Assim completamos as 7 cartas, sendo as primeiras duas fechadas, as outras quatro abertas e a última fechada, a 7ª street, que também pode ser chamada de River. É importante ressaltar que as cartas que estão abertas têm que ser mantidas de forma organizada à frente do jogador, como se cada um tivesse o seu próprio bordo e que todos os jogadores possam identificar qual carta foi distribuída em qual street.

Depois de mais uma rodada de apostas, agora vamos definir quem vencerá a mão, o famoso “Showdown”. O último jogador a aumentar ou apostar mostrará as cartas primeiro. Já no caso de check/mesa, ou seja, não haver aposta, o jogador que estiver no primeiro lugar é quem mostra antes. Lembrem-se de que lugares são os assentos! Portanto não se confundam, já que não existe a figura do “Dealer/ Button” no jogo, sendo assim o jogador à esquerda do Dealer a posição 1 e assim segue, no sentido horário.

O jogador que apresentar a melhor composição de 5 cartas para High (Hi ou H) vence metade do pote, assim como o jogador que tiver a melhor mão para Low (Lo ou L). Se não houver classificação para Low, as mãos High vão concorrer exclusivamente ao pote, lembrando que o requisito para haver uma mão Low é existir uma combinação de 5 diferentes cartas entre as 7 da mão do jogador que sejam menores ou iguais a 8. Assim que o pote for dividido, uma nova mão começará, respeitando os níveis de blinds, seu tempo e estrutura.

Importante: Já que há divisão de pote, em 2, entre High e Low, é bom observar que muitas vezes essa divisão pode ser maior ainda. Exemplo: Imagine que dois jogadores vão para showdown e os mesmos tem a mesma mão Low, porém um dos jogadores tem um flush para a mão High. Deste modo, o jogador que ganhou o High leva 100% de 1/2 pote e 50% de 1/2 pote, que é o segundo pote, o pote da mão Low. Assim este jogador acaba levando 3/4 de 100% do pote, e o jogador que empatou na Low Hand leva apenas 1/4 de 100% do pote.

É, isso parece confuso, mas basta vocês se habituarem aos termos e praticarem algumas mãos de Stud H/L para entender que isso é um tanto quanto simples.

Estratégia Stud H/L

Agora que vocês conhecem a dinâmica e as regras do jogo, vamos falar um pouco de estratégia. Como um jogo normal de poker, você pode desistir, pagar ou aumentar a qualquer momento ou street, desde que você seja o dono da ação.

Já que o objetivo do jogo é ganhar a maior quantidade de fichas possível, é muito importante que você tenha a consciência de que uma boa mão de Stud H/L é aquela que vai lhe dar a oportunidade de concorrer aos dois potes, o High e o Low.

Existem situações específicas, nas quais vamos jogar apenas para o High, claro, principalmente aquelas em que o nosso oponente, que está claramente correndo para Low Cards (precisa de cartas baixas pra fechar o Low) acaba comprando cartas altas nas Quarta e Quinta Streets, e assim fica comprometida a sua capacidade de formar uma mão Low. Assim a mão High irá concorrer a 100% do pote.

Exemplos de starting hands:

Fortes:
a) AA-2
b) A2-3 (suited/do mesmo naipe)
c) A4-5 (pelo menos 2 cartas do mesmo naipe)

Médias:
a) A4-7 (suited/do mesmo naipe)
b) 36-8 (quaisquer cartas do mesmo naipe até 8)
c) 44-4 (trincas, ou “Rolled Up”, expressão usada para trincas)
d) AK-7 (pelo menos 2 cartas do mesmo naipe)

Fracas:
a) AQ-5 (off-suit ou de naipes diferentes ou “Rainbow”)
b) AK-J (até as do mesmo naipe)
c) 33-7 (depende de compras específicas na 4ª street)
d) KK-Q (depende de compras específicas de seus oponentes nas 4ª e 5ª streets)


Vale observar que inclusive as mãos consideradas fracas são completamente jogáveis, pois o que vai ditar o jogo é a dinâmica e distribuição das cartas na 3ª street, principalmente, e as 4ª e 5ª streets também, complementando (aqui está embutida a leitura de jogo no Stud H/L).

Apesar de minha vasta literatura no poker (me refiro aos materiais que eu já li e à experiência que tenho), grande parte do que vocês estão vendo neste artigo vem da minha concepção frente ao jogo de Stud Hi-Lo. Por exemplo, em todos os livros que eu li, no quadro de Starting Hands “Médias”, a opção “C” é uma mão considerada como premium, ou seja, muito forte.

Eu já discordo fortemente e acredito que para uma mão de Stud H/L ser forte ou considerada como “Grupo 1”, ela obrigatoriamente tem que ser forte para High e Low e deve de antemão ter maior capacidade Low do que High. Uma mão vai ser forte ou fraca de acordo com a dinâmica e distribuição. Inclusive, este quadro de Starting Hands fui eu que criei, já que os autores antigos as dividiam diferentemente disso.

Importantes dicas de estratégia: a) Sempre tente ganhar o pote todo (“Scoop”), seja fazendo os seus oponentes darem Fold, abrindo mãos com potencial de High e Low ou mesmo fazendo uma forte mão High.

b) Ir para uma mão apenas Low também é uma estratégia lucrativa, já que no meio do caminho, com uma forte mão Low garantida, você pode acertar pares, straights e flushes.

c) Saiba desistir. Pare de comprar cartas para Low se você não acertar a 4ª e a 5ª street. Lembre-se de que a aposta já é dobrada, portanto custa mais, e que seu oponente com uma mão apenas High já é favorito para ganhar 100% do pote.

d) Sempre aumente as apostas quando você estiver convencido de que seus oponentes estão correndo para o mesmo pote (divisão de pote), ou seja, se aparentemente só você tem um Low Draw, isso indica que todos eles possivelmente estão investindo fichas para dividir entre eles uma metade, sendo a outra metade toda sua. O mesmo racional serve para o High, quando muitos estiverem correndo para as Low cards.

e) Nas duas últimas streets, se você desconfiar que seu oponente está num draw e não o completou, sempre aumente o que puder. É grande a chance de que eles possam (ou tenham que) desistir, mesmo com pot-odds absurdamente altos, já que se eles não conseguirem ter/completar uma mão que tenha valor de showdown, não há como pagar sua aposta. Muitas vezes você mostrará uma composição de mão já forte o suficiente para que eles notem isso com facilidade (nas cartas que estão abertas).

O Stud H/L é um jogo fascinante e muitíssimo dinâmico. Fica muito complicado expor regras junto com estratégias, técnicas e trazer tudo isso para a realidade de vários níveis diferentes de jogadores. Garanto que vocês vão gostar muito de jogar Stud H/L, como amantes do nosso esporte. Perdão por não abordar aqui algum conteúdo específico e relevante para o Stud H/L e fico à disposição para dirimir eventuais dúvidas de vocês, nossos assinantes, através do meu twitter (@FelipeMojave).

Este artigo está publicado originalmente na PokerStrategy.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Mágicas com Cartas - 19º Truque




Tenho sempre divulgado truques com cartas que você pode fazer com qualquer baralho, mas encontrei esse video interessante falando de um baralho preparado o "Baralho Svengati".
Ele é vendido na maioria das lojas e sites de mágicas e o ofeito produzido na mágica é bem interessante.
Bom divertimento para todos!!

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Foque no Psicológico


Constantemente acontece comigo de perder uma mão que aparentemente no pré-flop ou no flop seria imbatível, mas  por um capricho do baralho levo uma reviravolta no turn ou no river e perco todas as fichas. Ficar chateado nessas horas é normal, mas sabemos que isso faz parte do jogo e não podemos nos deixar abater que, se continuarmos a jogar corretamente, a medio ou longo prazo seremos vencedores.
O Tiquinho do site "Quero Ser Shark" publicou outro dia um artigo muito interessante sobre esse assunto.
Vale a pena dar uma lida. 

Foque no Psicológico

Olá pessoal! Como estão? Faturando alto nas mesas?
Ontem terminaram as minhas férias, e a primeira coisa que fiz foi ligar o PC para poder começar a grindar! Estava morrendo de saudades do joguinho e percebi que é realmente impossível ficar muito tempo longe.
Enquanto estava de férias, não me desliguei completamente do jogo. Aproveitei para ler alguns livros que havia comprado, aprendi a mexer em alguns softwares, estudei muito mesmo, entretanto, o meu maior foco nesse período foi para melhorar o meu psicológico.
Pra minha sorte ou azar, minha namorada é psicóloga e embora eu não seja seu paciente, ela tem me ajudado muito a trabalhar o meu mental não só para o Poker mas para todo o resto.
Como fazia quase um mês que eu não jogava, antes do grind eu entrei aqui no site do TeamSNG para rever os vídeos relacionados aos sits que jogo e relembrar os conceitos chave. Mas este post não é para falar sobre a minha sessão, e sim sobre algumas coisas relacionadas ao psicológico dos jogadores que me chamaram atenção não só nas mesas mas também nas redes sociais, MSN, e até no vizinho.
Em Sit-and-go uma coisa que acontece muito é o all-in pré-flop. Os jogadores regulares selecionam bem suas cartas e por isso, quando os blinds sobem, é muito importante o roubo desses. Como não há espaço para raises, pois como todo mundo acaba ficando apertado, a jogada correta é ir all-in antes do flop. Desta forma, situações de flips, 60/40, 70/30 são bastante corriqueiras, e ganhar e perder as mãos é completamente normal.
O que eu reparei foi a absurda quantidade de jogadores reclamando desses tipos de mãos.
Eles acreditam que perder de AK pra KQ ou QJ é a maior injustiça do mundo. Não é.
- Poxa! Como fui perder essa mão em que eu tinha 70×30 pra vencer?
Acredito que muitos dos jogadores acham uma grande injustiça quando um AK perde pra KQ batendo uma dama no river.
Eu também acho, no entanto, o que você deve aceitar é que o KQ vence algumas mãos contra AK. Algumas vezes com a dama, outras com flush, outras aproveitando o seu ás que bateu no flop para fazer uma sequência runner runner. Não tem como, é matemática. E é nessas horas, por mais duras e importantes que sejam, é que devemos manter a nossa cabeça no lugar!
Primeiro e mais importante: se você joga dentro dos seus limites, sabe que se essa situação se repetir várias vezes, ganhará a maioria. Então, para evitar que a cabeça pire quando você perder essas mãos, jogue com uma boa margem de buy-ins, de forma que essa perda não o abale tanto e não faça você quebrar o seu teclado ou o bankroll.
Segundo: você jogou a mão da maneira correta? Colocou todas as suas fichas numa situação em que era favorito e que era inevitável (tamanho dos stacks, blinds, proximidade da bolha, etc…)? Então não há porque se preocupar. O longo prazo parece sempre tão longo, mas uma hora ele chega.
Reparei também o quanto algumas pessoas superestimam uma mão um pouco favorita no coin-flip. Um KJ conta 76 vence cerca de 60 por cento das vezes. Ótimo, mas isso significa que 4 de cada 10 mãos jogadas você irá perder! Não tem jeito, não dá pra vencer todas as vezes, e não adianta queixar-se dos deuses do Poker se você perder 4 ou mais vezes seguidas!
Muitas das mãos que você acha que é extremamente favorito na realidade te dão vantagem de 10% em relação à outra mão, e isso faz com que você ao ganhar nem comemore a vitória, pois acredita que não era mais que obrigação do software em mandar as suas cartas. Já quando perde, haja palavrão! E o mental desaba…
Nessas horas você tem que saber que não se pode ganhar todas, e que algumas vezes você tem que perder.
Com a evolução do jogador de Poker, onde muitos se igualam no conhecimento teórico, o psicológico quase sempre é quem fará a diferença. Manter-se focado, concentrado, jogando o seu melhor e sem se abalar com fatores que são do jogo.
Eu também odeio tomar bad beat, mas não existe um meio de escapar delas. Pior do que tomar uma bad beat, é ficar dependendo dela pra ganhar a mão.
Reclamar no chat, no twitter, no msn ou em qualquer outro meio só vai fazer você parecer um chorão.
Aprender a perder é o primeiro passo para se tornar um vencedor. Foque no psicológico e certamente você verá os frutos!

Abraços a todos, bons grinds e até o próximo post!

Thiago Pessoa

Esse artigo foi publicado originalmente no site "TeamSng.com"

@TiquinhoQSS
@querosershark
@queroapostar

Tiquinho escreve também no:
www.querosershark.com
www.queroapostar.com
www.como-jogar-poker.com